quinta-feira, 1 de junho de 2017

Sobre a minha Cozinha


Há muito que andava a necessitar de dar uma volta à minha cozinha. O espaço é grande, tem imensa arrumação, mas, se de vez em quando não nos dermos a este trabalho de dar uma volta às coisas, de reorganizar, de adaptar, de destralhar, ordenar e limpar, é muito mais difícil de nos orientarmos.

Como já aqui falei, tenho lido muitas coisas acerca do método KONMARIE, (Marie Kondo), e tenho adaptado a algumas coisas aqui em casa. Não acho que seja tudo aplicável - pelo menos para mim não é - mas acho as sugestões e dicas muito interessantes. Na verdade trata-se de ter à nossa volta e nas nossas casas, as coisas que nos fazem felizes - seja roupa, objetos e até recordações - e destralhar ao máximo, principalmente as coisas que já não nos dizem nada. De que vale acumular toda a roupa e sapatos que tivemos, quando sabemos que nunca mais vamos utilizar mais de metade. De que vale agarrarmo-nos a roupas que passaram de moda, que nunca mais nos vão servir, ou que simplesmente não nos ficam bem... A Marie Kondo começa sempre por reorganizar a roupa e daí vai-se passando a outras coisas. Além da parte de nos desfazermos de coisas, há também uma parte muito interessante acerca de manter tudo organizado e arrumado. Na roupa gosto imenso, nas outras coisas, depende... Se gostam do tema, deixo-vos a sugestão de procurarem mais informação na internet ou de comprarem os livros dela.

Mas adiante!
Depois de ter começado com a roupa dos miúdos, passei para a minha - não que houvesse muito para destralhar, que eu não me apego assim muito a roupa e além disso já o tinha feito quando mudamos de casa - e foi mais uma questão de reorganizar.
Mas havia outra coisa que andava a precisar de uma volta. A minha cozinha.

Não que estivesse demasiado desorganizada, que não estava, mas havia coisas que precisavam de ser mais funcionais, e principalmente havia coisas a tirar. A minha ilha estava a ficar atafulhada. Cheia de mil e uma coisas e utensílios, quando na verdade não usava nem metade deles. Era uma prioridade tornar a ilha mais “leve”, com menos coisas, e tornar mais “clean” zona que por aqui chamamos a zona dos pequenos almoços, e onde está a torradeira e a máquina de café.

E como estava com a mão na massa, aproveitei para dar uma limpeza à gavetas das especiarias, ao armário dos frascos de vidro, e ainda reorganizar as gavetas dos têxteis de cozinha.
E, como me andam sempre a pedir dicas de organização da minha cozinha, achei pertinente juntar tudo num só post.



A minha ilha de cozinha é onde está a placa (fogão). Sempre cozinhei a gás, mas quando estávamos a fazer as obras desta casa, uma das coisas que decidimos de imediato é que não íamos ter gás. Para mim o problema de cozinhar não se punha, porque há muito que queria uma placa de indução. E não me arrependo nada. Mas como estava a dizer, na ilha é onde está a placa, sendo que tudo o resto é espaço de bancada e de balcão de refeições.

A arrumação da ilha consiste num módulo de gavetas - onde guardo as especiarias e outras coisas que gosto de ter sempre à mão: balança de cozinha, colheres medidoras, mandolina, ralador de queijo, rolos de papel de alumínio, película aderente, papel vegetal, sacos de congelação, e outras inúmeras coisas. Em algumas gavetas tenho pequenos cestos/divisórias de plástico, que já tinha desde a outra casa, e que ajudam a manter as coisas organizadas por categorias nas gavetas. (E acaba por bater certo com o método da Marie Kondo). Tenho também uma gaveta para aventais e luvas de cozinha.



Além do módulo de gavetas, há dois enormes gavetões, mesmo por baixo da placa onde estão guardadas as panelas, os tachos, as frigideiras, a panela de pressão, o wook, o grelhador de fogão,  a chapa de grelhar, escorredores, tacho de ferro fundido, acessórios da Bimby...e tudo o mais que necessito para cozinhar. Na gaveta de cima tudo o que uso com mais frequencia, assim como os tachos mais pequenos e de uso mais comum, e na gaveta de baixo as coisas que uso com menos frequência e os tachos e panelas maiores.



Finalmente, numa das outras “pontas” da ilha há um pequeno módulo onde guardo os restantes condimentos para cozinhar: sal, azeite, vinagre, molho inglês, picante, molho de soja, molho de peixe, óleo, ....

Mas a principal desordem estava em cima da ilha. Quando cozinho, gosto de ter as coisas que vou necessitando à mão. Então havia inúmeros recipientes cheios de facas, colheres e outras talheres, utensílios como espátulas, pincéis, batedores, ... E havia ainda um daqueles cepos onde se guardam facas, mas cujas facas não cabiam nos respetivos locais uma vez que já são outras facas...

A decisão foi tirar tudo e separar. Ficar só com as facas que realmente uso, e não com as que estão só a fazer número, e que não gosto. E o mesmo para tudo o resto. Porque havia coisas que estavam só ali por estar, porque eu nunca as usava porque não gostava delas. Se ia lavar a minha faca preferida em vez de tirar outra faca, não havia justificação para ter ali coisas que não estava a usar. Ou seja: passei de 5 recipientes cheios de coisas para 3. E retirei o cepo das facas que não fazia sentido. E de imediato ganhei espaço de banca na ilha e esta ficou muito mais leve.
Primeiro ponto estava tratado!



Depois foi a vez de passar para a zona dos pequenos almoços: na ponta da bancada de cozinha encostada à janela estava a torradeira e a máquina de café e ainda um tabuleiro onde estava a manteiga e o café e sempre uma data de coisas sempre à vista e que tornavam o espaço qianda que arrumado sempre com ar de “desordem”. Solução: Retirar esse tabuleiro de tralha e arranjar uma maneira de poder continuar a ter essas coisas à mão, mas sem se verem. Foi só preciso reorganizar o armário mesmo por cima deste local da banca para ficar com a prateleira disponível. Mais uma vez as coisas continuavam à mão mas agora “escondidas”. Ganhei espaço na bancada, pois além de ter tirado o tabuleiro, mudei a posição da torradeira e ainda despachei para outro lugar uns livros de cozinha que estavam a ocupar algum espaço.
Segundo ponto tratado.

Mas depois, no meio disto tudo acabei por continuar a “destralhar”. Passei para as gavetas dos panos de cozinha, e separei os mais velhos e gastos - para usar na churrasqueira - e deixei ficar os restantes. E aproveitei para dar uma volta no meu armário de canto, onde tenho a grande maioria das minhas louças. (Não dei nenhuma, porque todas me dão grande alegria!), bem como no armário onde guardo as formas e tabuleiros de bolos.



O resto da cozinha não tinha nada para alterar. Os armários despenseiros, desde que lhes dei a volta por altura do natal que estou bastante satisfeita com o resultado e é simples mantê-los organizados e arrumados.
E os locais onde guardo a restante louças - como pratos, copos e chávenas, também mantêm desde sempre a sua ordem natural, pelo que não era necessário fazer nada.

Convém no entanto frisar que esta cozinha foi pensada para ter imensa arrumação. Ale´m dos armários feitos à medida, tenho ainda um louceiro antigo, e um outro móvel de arrumação. Tudo isto foi pensado para que toda a louça, talheres e afins, estivessem num espaço só, e não espalhados por aparadores entre cozinha e sala de jantar. Tanto que na nossa sala de jantar só existe mesmo um pequeno móvel bar (uma antiga cristaleira) com copos e bebidas, e um aparador pequenino onde guardo a minha colecção de louça natalicia, porque só a uso um pequeno periodo por ano, e faz sentido estar noutro local.

E também faz sentido para nós ter toda a louça concentrada num só espaço, porque quase todas as nossas refeições a sós ou com amigos e restante família se fazem na cozinha, que é ao mesmo tempo sala de refeições. E é por isso que o espaço e a organização do mesmo foi pensada assim.

(Tenho mais louça para uso na churrasqueira, no jardim, mas isso poderá ser tema para um outro post, até porque é também por uma questão de se tornar mais pratico que optamos por isso, uma vez que a cozinha não dá para o jardim e é preciso subir um andar inteiro com toda a louça e acessórios, de todas as vezes que quisemos comer no jardim!)


E assim se organiza a nossa cozinha. Alguma coisa que não tenha falado e que gostassem de saber mais? Como fazem em vossas casas? Vão retirando as coisas que não usam, ou são mais de acumular? Também gostam de reorganizar as coisas? Outras dicas e sugestões úteis?

5 comentários:

  1. Eu vou acumulando, acumulando , acumulando e depois destralho, destralho , destralho!
    A fase de destralhar está quase a chegar.
    Aida Lopes

    ResponderEliminar
  2. Com um filho de dois anos, mexilhão e curioso, não posso ter coisas perigosas e barulhentas (panelas, tampas, tachos) nas gavetas e nos armários baixos. O que faço? Guardo o que seja facas, garfos, vidros, panelas, tachos, frigideiras copos, travessas, pratos e sacos em lugares fora de alcance daquelas mãozinhas. Aí, nas gavetas e armários baixos, guardo caixas plásticas de conservação, panos de cozinha, rolos de papel, películas aderentes, rolos de alumínio e papel vegetal. Tem de ser assim.
    Parabéns por essa cozinha tão organizada e por os seus meninos, sobretudo o mais pequenino, não mexerem onde não devem.

    ResponderEliminar
  3. uau, adoro organização...e a cozinha está muito gira.

    ResponderEliminar
  4. Tem uma boa cozinha! Muito bonitinha, arrumada e limpa.
    Obrigado por partilhar

    ResponderEliminar