sexta-feira, 24 de março de 2017

Preparar a Páscoa de 2017


A Páscoa está a chegar! E começa a ser altura de começar os preparativos. 
Todos os anos faço os tradicionais folares de Páscoa, que ofereço aos nossos afilhados e aos cunhados e sobrinhos e, além disso faço sempre uns miminhos para os miúdos, como umas bolachinhas ou uns ovinhos de salame de chocolate!
Os afilhados costumam receber mais qualquer coisa, mas para os restantes os presentes são apenas mimos saídos da cozinha.
Depois há que embalar as coisas de forma amorosa e engraçada! Este ano tinha visto um tuturial para fazer uns saquinhos em forma de coelhinho para colocar as guloseimas - que até partilhei no meu facebook - e era minha ideia replicar essa ideia.
Mas entretanto fui à Tiger e encontrei essa mesma ideia “pronta a usar”. 10 saquinhos em forma de coelhinhos por 1€, bem como um conjunto de 10 ovinhos coloridos decorativos - que vou usar para fechar os saquinhos - também por 1€ o conjunto. Não vale a pena o trabalho de os fazer.
E só para fechar as contas, uns guardanapos com pintainhos - também por 1€ - para a minha mesa de Páscoa ou do almoço de padrinhos e afilhados.
Ainda não defini a receita a fazer para os saquinhos - mas acho que vou voltar aos ovinhos de salame de chocolate em formato mini. Depois logo vos mostro o resultado.
Gostam da dica? Eu comprei ontem, e olhem que estas coisas desaparecem num instante!


Sou só eu que faço estes mimos na Páscoa? Outras ideias ou sugestões?

quinta-feira, 16 de março de 2017

#1 Planeamento das Refeições da Semana


Há umas semanas expliquei por aqui todo o meu planeamente e organização nas refeições da semana, que faço habitualmente à segunda feira - e que faço para todas as refeições da semana, de segunda a sexta-feira (para a maioria das pessoas, o dia ideal para isto será ao domingo ao final do dia...) Sei que gostaram das ideias e das dicas e recebi imensos mails para fazer isto todas as semanas. Não vos quero aborrecer com este tema, mas percebi que pode ser importante para muitas pessoas. Por isso, decidi partilhar novamente o meu planeamento da semana que agora termina, e, ocasionalmente voltar a fazê-lo para que, quem quer organizar-se assim, se oriente melhor.  Depois das compras feitas à sexta feira e do cabaz recebido - e os legumes preparados e já orientados, como a salada lavada e pronta a usar numa caixa hermética própria para saladas e que fecha a vácuo, o alho francês cortado em rodelas e lavado, os brocolos separados em raminhos, a couve flor também lavada e cortada em raminhos, a couve lavada e pronta e pronta a usar... Na segunda feira de manhã, foi então altura de colocar a mão na massa. (No domingo à noite deixei a descongelar no frigorífico tudo o que necessitava para cozinhar - e que tinha comprado e congelado na sexta feira!)
(Não fiz sopa porque tinha feito no dia anterior, e voltei a fazer quarta feira, enquanto fazia o almoço!) 

Lavei tomate cereja e coloquei numa caixa hermética. Descasquei alhos e guardei-os num frasco com azeite para estarem prontos a usar. Descasquei batatas e cenouras e cebolas.
Depois piquei as cebolas grosseiramente no robot de cozinha juntamente com alho. Dividi por duas panelas: numa comecei a cozinhar o peixe estufado com ervilhas para o jantar (2ª feira), e noutra a fazer uma cebolada clássica para bacalhau (5ª feira). Ao mesmo tempo cozi a vapor a couve flor, cenoura e 1 batata doce para fazer um puré. 
Enquanto isto, temperei coxas de frango com as especiarias, cebola às rodelas e um pouco de azeite (3ª feira) cobri o pirex com película aderente e coloquei no frigorífico - no dia seguinte foi só retirar a película e colocar no forno a assar ao final do dia, para o jantar. Aproveite e temperei também a carne de porco (4ª feira almoço) e guardei numa caixa hermética no frigorífico, e cortei também o pimento e a cebola em tirinhas, que guardei também numa caixa hermética no frigorífico, prontos para entrar na cataplana. No dia, é só colocar a carne temperada, a cebola e o pimento e os restantes temperos e ingredientes na cataplana e deixar cozinhar, assim como fazer o arroz de acompanhamento.
Os legumes do puré ficaram prontos e triturei e temperei. Uma parte foi para uma caixa hermética mais pequena, para acompanhar o peixe estufado com ervilhas que entretanto também ficou pronto e também foi colocado numa caixa hermética, e coloquei tudo no frigorífico.
Ao restante puré misturei e cebolada de bacalhau (5ª feira) e coloquei num pirex de ir ao forno (tenho daqueles com tampas herméticas). Por cima coloquei um pouco de pão ralado e de queijo parmesão. Tapei e congelei. Quarta à noite retiro do congelador para o frigorífico para descongelar durante a noite, e quinta ao jantar vai ao forno apenas para gratinar e aquecer.
Cozi depois mais batata (4ª feira ao jantar) e enquanto as batatas coziam preparei a couve de acompanhamento (3ª feira) e ralei a cenoura e juntei tudo - a maçã só ralo no dia e na hora porque oxida. Preparei também a batata - ralada para o rosti (3º feira) - que guardei em água numa caixa hermética no frigorífico. No dia, enquanto as coxas de frango assam, termino a salada e faço o rosti.
Preparei também o pimento para a cataplana (4ª feira almoço)
Depois das batatas cozidas triturei e juntei atum e os restantes ingredientes (4ª feira jantar) e fiz a mistura para os fishcakes. Guardei numa caixa hermética no frigorífico. No dia é só moldar em forma de hamburguer, passar por ovo e pão ralado e “fritar” num fio de azeite.
Enquanto fazia a mistura e arrumava a cozinha coloquei uns brócolos a cozer a vapor, que também guardei numa caixa hermética depois de prontos. Ainda fiz mais uma dose do “iogurte” de coco e framboesa que o meu miúdo mais velho adora.
Na quinta à noite retiro a carne para o jantar de sexta, e na sexta à noite preparo tudo: cozinho os bifes, salteio a couve e faço a farofa. O arroz é só aquecer as sobras que propositadamente fiz a mais para o almoço de quarta feira.

Aqui fica mais uma vez o planeamento das minhas refeições da semana. Mais uma vez, espero ter ajudado.

Ementa da semana:

2ª feira: Peixe estufado com ervilhas com Puré (couve flor, batata doce e cenoura) e brócolos cozidos

3ª feira: Coxas de frango Assadas com especiarias, rosti de batata doce e salada de couve, cenoura e maçã

4ª feira: Cataplana de porco com arroz e brócolos cozidos (almoço) e Fishcakes de batata e atum com salada verde (jantar)

5ª feira: Empadão de Bacalhau (usei o mesmo puré de couve flor, batata doce e cenoura de segunda feira) com brócolos - congelei depois de pronto na segunda feira, e na quarta à noite coloquei a descongelar no frigorífico para fazer na quinta à noite.


6ª feira: Bifinhos na Frigideira com alho, couve mineira, arroz branco, laranja e farofa

terça-feira, 14 de março de 2017

Molho de tomate com (5) vegetais, pronto a usar e congelar


No fim de semana passado, houve tempo para preparar algumas coisas para congelar. Como entretanto já não tinha almôndegas, e encontrei carne de vaca de boa qualidade, nacional e a um preço mais simpático, resolvi colocar as mão na carne, e voltar a fazer a mistura habitual: carne picada, cebola picada, sal e pimenta. Misturar bem, fazer bolinhas. Congelar no tabuleiro e depois passar para sacos de congelação nas doses para uma refeição.

Aproveitei também para fazer molho de tomate - com vegetais - para as almôndegas. Usei uma parte e congelei o restante. A enorme vantagem? Almôndegas e molho de tomate e vegetais prontos a usar e perfeitos para desenrascar uma refeição em qualquer dia apertado, indo diretos do congelador para o tacho.
E o molho de tomate feito também com outros vegetais, é uma excelente forma de comer e dar a comer mais legumes, além de ficar um molho mais espesso que casa lindamente com as almôndegas, simples com massa, por exemplo e até numa simples bolonhesa.
Desta vez, o molho de tomate levou, além de tomate e cebola, alho francês, abóbora e cenoura. Noutras vezes leva ainda aipo, couve flor ou courgete... Mas basicamente é feito com o que tenho no momento em casa.

O processo é simples. Fazer um refogado com cebola, alho azeite e louro. Juntar depois o alho francês. Deixar refogar mais um pouco. Acrescentar a cenoura em pedaços, assim como a abóbora e os restantes legumes que usarem. Deixar suar um pouco, Acrescento depois o tomate. Nesta altura do ano, acrescento tomate pelado de lata ou congelado, se tiver - ou uma mistura dos  dois - no verão uso tomate maduro. Tempere com  um pouco de sal, pimenta e oregãos e deixar estufar até todos os legumes estarem macios. Depois é retirar a folha de louro e triturar bem todos os legumes no robot de cozinha ou com a varinha mágica. Se estiver muito grosso, juntar um pouco mais de água e retificar temperos, deixando voltar a ferver.
Fiz um tacho grande, com molho para duas vezes. Coloquei metade do molho a arrefecer um pouco e ao restante juntei as almôndegas, que podem estar congeladas ou frescas. E deixei cozinhar.
O restante molho, depois de frio, coloquei num saco de congelação - mas podia ser numa caixa plástica hermética - e congelei.



Quando quiser usar basta retirar do saco e colocar diretamente na panela e deixar descongelar e ferver. E depois juntar as almôndegas (ou não). Pode servir apenas para juntar a uma massa, para cobrir a base de uma pizza ou para estufar outra carne, almôndegas ou apenas carne picada para uma bolonhesa....


Também fazem o molho de tomate com os legumes “escondidos”? (Cá em casa faço as duas versões!) E também fazem a mais para congelar ou para refeições de emergência?

sexta-feira, 3 de março de 2017

Ainda da Arca Congeladora..



Há sempre imensa discussão e diferença de opiniões quando o tema da conversa é comida congelada. Há imensas pessoas que não gostam, que acham que a comida não sabe ao mesmo, que não gostam de comer coisas que não foram acabadas de fazer. 

Realmente pode não ser bem a mesma coisa, mas também não acho que seja assim um “drama” tão grande. Cá em casa congelo poucas comida já pronta. Congelo essencialmente coisas que sobram e que prefiro congelar a guardar no frigorífico, pois não sei se vamos consumir em tempo de vida útil, e congelo eventualmente uma ou outra refeição já pronta - ou sopa - para alguma eventualidade, como ir de férias e deixar sopa pronta no congelador...

Depois uso é pequenos truques. Ou seja a sopa depois de descongelada, parece que fica em farrapos... O truque é voltar a fervê-la. Se apenas deixarmos descongelar e aquecer apenas antes de comer, não fica de todo a mesma coisa. Quanto a refeições congeladas prontas, opto sempre por congelar coisas com molho, tipo um caril de frango ou frango estufado... Ou seja, tudo o que volte a ferver - fica igual a acabado de fazer - ou coisas tipo lasanha, arroz de pato, bacalhau com natas... que depois de descongeladas no frigorífico e acabadas no forno, também acho que resultam bem.

Mas, na verdade, habitualmente na minha arca existem outras coisas mais “mundanas”. As sobras de outras refeições, e os famosos restinhos que muitas vezes compõem refeições para a semana, e coisas pré preparadas como almôndegas caseiras, molho de tomate caseiro pronto a usar, hamburgueres. Tudo isto além de legumes para sopa, frutos vermelhos, ervilhas, pão e afins....

E é por causa dessas “sobras” que este post surgiu. Há umas semanas atrás fizemos um jantar de pizzas caseiras. Fizemos várias - porque éramos muitos - e sobrou o equivalente a 1 pizza e meia. Em vez de guardar apenas no frigorífico, congelei em caixas próprias a pizza já cozinhada e cortada em pedaços. Foi o nosso jantar num destes domingos preguiçosos. Bastou descongelar e aquecer um pouco no forno ou microondas antes de servir. Mesmo que não seja exatamente a mesma coisa que pizza acabada de fazer,  não houve desperdício, foi uma refeição que não tive que cozinhar pois já estava pronta e, além disso é muito melhor do que qualquer pizza de compra congelada...
Numa outra ocasião fizemos um churrasco e sobrou alguma carne. Acabei por picar a carne que sobrou - já cozinhada - e congelei. Umas semanas mais tarde surgiu um empadão em que acabei por usar estas sobras de carne que estavam no congelador.
O mesmo quando sobra, por exemplo frango. Se sei que não vou consumir nos próximos dias, em nenhuma forma, portanto prefiro sempre congelar.

O que faço é nunca me esquecer desses restinhos e incluí-los assim que possível nas próximas refeições.
Para mim esta é uma enorme vantagem da arca congeladora, e uma dos motivos pela qual a acho uma enorme aliada contra o desperdício alimentar.

E vocês? Usam ou não? Gostam? 

quarta-feira, 1 de março de 2017

Almôndegas prontas a usar


Cá em casa a arca congeladora é uma enorme aliada desde sempre. Quando os avós ainda cultivavam e tinham muitos legumes, tinha sempre stock de tomate, courgete, abóbora, pimento... Agora continua a haver muito amigos que nos vão oferecendo umas coisas, e continua a haver, pelo menos abóbora congelada em cubos para as sopas, caldos caseiros de frango, camarão ou peixe para risotos, massadas e até canjas rápidas, frutos vermelhos congelados (ainda estou a utilizar os mirtilos do verão!), e há sempre queijo da serra e alguns enchidos prontos a usar, assim como as habituais ervilhas e outras coisas que todos temos quase sempre no congelador.
Além destes produtos, também gosto de ter outras coisas congeladas. Uma delas são hamburgueres caseiros e almôndegas congeladas, prontas para qualquer refeição.

Os hamburgueres peço no talho para os fazerem com a carne que escolho, tal como já vos tinha contado. Compro também mais carne picada que aproveito para fazer bolonhesa e congelar, e outra parte para umas almôndegas.
Como faço as almôndegas? À carne (neste caso era só carne de vaca, mas podem fazer com porco ou uma mistura) junto sal, pimenta e um pouco de cebola picada  (ou spring onions que costumam vir agora no meu cabaz de legumes biológico) e amasso bem. Nos últimos tempos não tenho juntado ovo ou pão ralado. As almôndegas desde que bem amassadas mantêm a sua forma e temos preferido assim, pois ficam mais saborosas.



Depois de as moldar, coloco-as num tabuleiro forrado com papel vegetal (ou tapete de silicone) e congelo-as assim. Quando estão congeladas, retiro-as do tabuleiro e coloco-as em doses para uma refeição, em sacos de congelação e voltam para o congelador.
Quando é para usar, basta retirar um saquinho e colocar diretamente no molho de tomate, no tacho ou no forno e em poucos minutos temos uma refeição.
Também fazem o mesmo?


Eu acho super prático ter duas ou três coisas no congelador meio adiantadas para as refeições da semana. E vocês, que refeições costumam congelar?

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Do sotão e da organização de roupas de casa


Já aqui referi várias vezes que, uma das melhores coisas da nova casa é a possibilidade de termos mais espaço, e de finalmente cada coisa poder ter um lugar próprio. Como sabem, eu gosto de tudo organizado, uma coisa em cada lugar e portanto, ter espaço e possibilidade de ter as coisas como realmente gosto é algo para me deixar feliz.
No sotão da nossa casa - que é mais um andar da casa - temos 3 divisões distintas. O “meu” escritório que é também uma outra sala e onde guardo a minha biblioteca culinária, o escritório do Miguel que é também a nossa biblioteca, a divisão “desarrumada” e onde vão parar as coisas que não combinam com mais nada, e o quarto de hóspedes (muito ocasionais),e que é principalmente a divisão com mais e melhor arrumação de toda a casa.
Além de um quarto montado com uma cama de ferro antiga, mesas de cabeceira, uma antiga arca de viagem e uma cómoda, tudo herdado de casa dos avós, e que acabaram a combinar na perfeição com o ar mais rústico desta divisão, que está toda forrada a madeira pelos anteriores proprietários e que nós acabamos por deixar assim, há também uma parede cheia de cómodas onde toda a roupa de casa e outras coisas estão devidamente arrumadas.
Essa parede é a parte mais esconsa do nosso sotão, que mesmo assim até tem uma altura simpática, e um comprimento de mais de 6 metros. Aos poucos fomos comprando as cómodas Malm de 3 gavetas do IKEA (só recentemente compramos a última de 8!) até preenchermos a totalidade desse espaço.

Fizemos algumas contas. Arranjar um carpinteiro para nos fazer um armário com gavetas à medida para todo aquele comprimento e altura, ficaria muito mais caro do que utilizar as cómodas para o mesmo efeito. Além da possibilidade de, se nos apetecer, as cómodas poderem ser mudadas de local e terem outras utilidades, o que não aconteceria com um móvel fixo.
Temos então 8 cómodas colocadas lado a lado a todo o comprimento do nosso sotão. São 24 gavetas onde está arrumada toda a roupa de  casa: lençóis, toalhas de wc, colchas, cobertores, mantas, almofadas, capas de almofadas e tudo o mais que se lembrarem. E ainda há espaço para algumas coisas de bebé, como mantas e lençóis de berço que eles já não usam. E ainda há cómodas vazias, a aguardarem pelo dia em que seja necessário arrumar mais alguma coisa.



Nesse mesmo quarto há também um armário embutido - herdado dos anteriores proprietários - onde guardamos vestidos e fatos de cerimónia, roupas que só vestimos ocasionalmente, e que evitam estar a roubar espaço no nosso closet. Essas roupas estão devidamente acondicionadas dentro de porta fatos de plástico, exatamente porque só muito ocasionalmente são usadas.
É também nesse divisão que convivem caixas de arrumação cheias de legos e playmobils e um enorme tapete. E onde pai e filho mais velho se divertem com brincadeiras, a montar e desmontar, e onde tudo pode ficar (mais) desarrumado....
É uma enorme vantagem ter assim um espaço e arrumação para poder ter toda a roupa de casa organizada. Há as cómodas dos lencois. As das toalhas. As das colchas e cobertores. Das coisas de bebé dos miúdos. Dos tapetes... Cada coisa no seu lugar.
E além disso gosto do ar com que o espaço ficou, preenchido na totalidade pelas cómodas e que ao mesmo tempo, apesar da arrumação, parece que mal nos “roubou” espaço físico. (Ficamos apenas com um pequeno espaço “livre” de 30 cm em toda a parede, mas onde cabe uma mala de viagem e que mal se nota...)

Eu sei que nem todos têm o espaço para uma parede assim, mas poderá ser uma ideia para quem não saiba o que fazer com espaços de sotão mais esconsos e necessite de arrumação.

Alguma outra sugestão? A partilha de ideias é sempre bem vinda!

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Ainda sobre a minha organização culinária semanal


É engraçado como algumas fotografias geram tantos mails e perguntas. Mesmo depois de ter escrito este post a explicar como me organizo, depois de mostrar no instagram - ainda não me seguem? Façam-nos aqui! (https://www.instagram.com/joanaroque78/)
 - as fotos do meu frigorífico num antes e depois de segunda, quando tenho o frigorífico completamente organizado com tudo preparado para a semana e o depois, à sexta feira, quando já está quase vazio, percebi que tinha mesmo de voltar a este assunto, porque as dúvidas, perguntas e esclarecimentos têm sido mais que muitos. E eu quero é tentar ajudar-vos, inspirar-vos ou orientar-vos para serem - se ainda não o são - mais organizados e fazer-vos poupar tempo e também dinheiro, acreditem, na cozinha e na hora das refeições.

E não há melhor forma de vos explica, do que com um “caso prático”.  Portanto vou explicar-vos tudo o que fiz para me organizar nas refeições desta semana, sendo que assim acho mais fácil que fiquem com uma ideia.
Tudo isto parte de uma outra condição: uma ementa semanal já definida. Sem isso não vale sequer a pena pensarem neste tipo de planeamento e organização. E partimos do principio que vamos fazer isto tudo já depois de termos ido às compras. O dia é aquele que vos der mais jeito, sendo que acho que o que resulta melhor é domingo ao final do dia. Eu pessoalmente faço-o à segunda feira de manhã, mas tenho provavelmente uma disponibilidade diferente da maioria das pessoas.
Então: como orientei eu toda esta semana de refeições?

Apesar de fazer a maioria das coisa à segunda feira, há uma que faço na sexta, porque é nesse dia que me entregam o meu cabaz de legumes semanal. Portanto na sexta -feira à noite oriento todos os legumes. O que fiz eu esta semana? Arranjei um molho de grelos, lavei-os e coloquei-os num saco de congelação prontos a irem para a panela. Arranjei os brócolos - lavei-os e coloquei-os em dois sacos de congelação prontos a serem cozinhados e assim sei que tenho acompanhamento para duas refeições. Descasquei as cenouras e coloquei-as inteiras num saco de congelação prontas depois a usar nas sopas, nas saladas ou noutra coisa qualquer. Cortei e lavei os alhos franceses e guardei-os prontos no saco de congelação. Lavei e guardei os espigos de couve, nos sacos de congelação. Atenção que eu não congelo os legumes. Guardo-os apenas naqueles sacos de congelação do IKEA, com fecho, e guardo-os na gaveta dos legumes do frigorífico. Eu sei assim quais serão os acompanhamentos que tenho para a semana, e está tudo pronto a usar.

Por acaso esta semana fui às compras no sábado de manhã - apesar de habitualmente o fazer á sexta feira. E na segunda feira, sabendo o que irei cozinhar toda a semana e tendo comprado o que preciso para todas as refeições da semana, em pouco mais de duas horas orientei toda a semana.
Liguei o forno e comecei a assar uma fatia de abóbora menina que veio no cabaz desta semana para fazer puré de abóbora como acompanhamento do jantar de terça feira. Com o forno quente aproveitei e fiz pão, uma vez que já tinha feito a mistura logo de manhã.
Entretanto coloquei os legumes para a sopa na bimby e deixei-a a fazer o trabalho dela.
Tinha deixado a descongelar na noite anterior o que necessito para as refeições da semana: lombinhos de pescada, migas de bacalhau, 1 polvo, bifanas de porco.
Fiz um refogado ao qual juntei alho francês e cenoura ralada para fazer uns lombinhos de pescada estufados para o jantar de segunda feira. Enquanto isso, cozi o polvo para o jantar de quarta feira, e os grelos para o acompanhamento do jantar de segunda feira.
A sopa entretanto ficou feita. Lavei a bimby e coloquei couve flor a cozer para fazer puré de couve flor para o acompanhamento dos lombinhos de pescada estufados. 
A pescada ficou pronta, assim como os grelos cozidos, e coloquei tudo em caixas de vidro com tampas e vão para o frigorífico, assim como a sopa.
Comecei um novo refogado e fiz ervilhas com ovos escalfados para o almoço de quarta feira, porque é uma coisa que aguenta bem no frigorífico e é bom apenas aquecido.
Triturei a couve flor para o puré, e também guardei numa caixa de vidro no frigorífico. Triturei a abóbora já assada para o jantar de terça feira e guardei. 
No forno tenho o pão a fazer, e o polvo continua a cozer.
Descasquei as batatas para acompanhamento do polvo de quarta-feira ao jantar e guardei-as em água no frigorífico. 
Temperei as bifanas com sumo de limão, sal, pimenta, louro e alho picado e também guardei no frigorifico. Serão para o jantar de quinta feira.
Descasquei uma cabeça de alho e guardei-os em azeite para ir utilizando durante a semana. O polvo entretanto acabou de cozer e escorri-o e cortei-o em pedaços. Na quarta feira basta colocar o polvo num tabuleiro com azeite e alho, juntar as batatas  previamente cozidas e levar ao forno a “tostar”, numa espécie de polvo à lagareiro, que vamos acompanhar com os restantes grelos.
Ainda tive tempo para fazer um refogado com cebola, alho e azeite e cozinhar as migas de bacalhau para o jantar de sexta feira. Neste caso, optei por congelar depois de pronto. Quinta feira à noite é só retirar do congelador e preparar um empadão de bacalhau com brócolos para o jantar de sexta feira.
O pão acabou de cozer. Deixei arrefecer e cortei-o em fatias para a semana.
Arranjei e lavei os morangos, ficando prontos a usar. Lavei os tomate cereja e ficam prontos a retirar da caixinha e comer e ainda fiz um iogurte de coco com framboesas e chia que o Zé Maria e eu adoramos. E ainda fiz arroz.

A cozinha e a louça vai-se arrumando à medida que se vai cozinhando. 
E sim, esta empreitada demorou pouco mais de 2 horas (Acho que não cheguei à meta das 2h30).
Tudo no frigorífico e tudo orientado para a semana.

A ementa:

Segunda feira ao jantar: 
Lombinhos de Pescada estufados com legumes, puré de couve flor e grelos cozidos

Terça feira ao jantar:
Peito de pato com laranja e puré de abóbora, salada de rúcula (o peito de pato fica a descongelar de segunda para terça e apenas é cozinhado na hora)

Quarta-feira ao almoço:
Ervilhas com ovos escalfados e arroz

Quarta feira ao jantar:
Polvo à lagareiro com grelos cozidos

Quinta-feira ao jantar:
Bifanas de cebolada à moda da Avó Celeste (que faço de véspera enquanto jantamos), com arroz ou massa e couve salteada

Sexta-feira ao jantar:
Empadão de bacalhau com Brócolos (retiro a cebolada de bacalhau já pronta do congelador na quinta à noite, e termino depois. Como vou ligar o forno aproveito também para fazer um bolo!)

Sábado e Domingo:
A ementa está definida e é só cozinhar de acordo com o que está planeado. Normalmente também tenho orientado e muitas vezes adiantado o almoço de sábado. Neste sábado em particular não vamos almoçar em casa e temos um jantar comunitário à noite, por isso não há “ementa”. Para Domingo vou fazer um típico assado. Sei que vai sobrar e essas sobras vão fazer parte da ementa da próxima semana, ou de uma refeição mais simples para domingo à noite.

Acho que ficou tudo muito bem explicado. Resume-se no entanto em duas palavras: planeamento e organização.

Outras dicas que possam ajudar?